domingo, 20 de dezembro de 2009

As reencarnações de Kardec

Como sabemos Denizard Rivail, homem do século XIX, teria vivido na pele do druida Allan Kardec na época de Cristo. De acordo com a entrevista dada pela médium Japhet a Alexandre Aksakof em 1875 esta revelação foi feita por meio dela e do médium Roze, futuro colaborador na Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas.

Além desta existência como um druida, Kardec ainda teria recebido a revelação de que era o espírito reencarnado do filósofo Platão. Esta informação foi dado por Zéfiro, espírito familiar e protetor dos Baudin. De acordo com a entrevista dada por Marlene Nobre a Folha Espírita em junho de 1998 e reproduzida no livro A Volta de Allan Kardec a informação consta de um documento escrito por Kardec que parou nas mãos do pesquisador Canuto Abreu.

Folha Espírita: E a questão de Platão e Kardec?!
Marlene Nobre: Esse caso foi muito interessante. Dr. Canuto Abreu mostrou a mim e ao Freitas um documento do próprio punho de Kardec, no qual ele escreve mais ou menos o seguinte: depois que Zéfiro me contou que eu  fui Platão é que pude compreender melhor a minha missão.

É interessante observar que Kardec abandonou o círculo dos Baudin logo após o lançamento da primeira edição do Livro dos Espíritos. E assim abandonou também o espírito Zéfiro conforme se observa no trecho abaixo, retirado de Obras Póstumas.

A minha primeira iniciação no Espiritismo
Eram geralmente frívolos os assuntos tratados. Os assistentes se ocupavam, principalmente, de coisas respeitantes à vida material, ao futuro, numa palavra, de coisas que nada tinham de realmente sério; a curiosidade e o divertimento eram os móveis capitais de todos. Dava o nome de Zéfiro o Espírito que costumava manifestar-se, nome perfeitamente acorde com o seu caráter e com o da reunião. Entretanto, era muito bom e se dissera protetor da família. Se com freqüência fazia rir, também sabia, quando preciso, dar ponderados conselhos e manejar, se ensejo se apresentava, o epigrama, espirituoso e mordaz. Relacionamo-nos de pronto e ele me ofereceu constantes provas de grande simpatia. Não era um Espírito muito adiantado, porém, mais tarde, assistido por Espíritos superiores, me auxiliou nos meus trabalhos. Depois, disse que tinha de reencarnar e dele não mais ouvi falar.
(...)
Pelos fins desse mesmo ano [1857], as duas Srtas. Baudin se casaram; as reuniões cessaram e a família se dispersou. Mas, então, já as minhas relações começavam a dilatar-se e os Espíritos me multiplicaram os meios de instrução, tendo em vista meus ulteriores trabalhos.

Aparentemente, Kardec não acreditava nesta revelação uma vez que na segunda edição do Livro publicada em 1860 apareceria o nome de Platão na lista dos espíritos que teriam contribuído para a sua elaboração, além de uma mensagem assinada por este espírito (diálogo 1009). Aliás, o estilo literário desta mensagem não se parece nem um pouco com o estilo de Kardec.

É curioso notar ainda que o mesmo espírito Zéfiro foi quem apresentou o Espírito da Verdade a Kardec. Já abordamos este tema no tópico Em verdade da Verdade e demonstramos que este espírito poderia ser o filósofo Sócrates ("ilustre filósofo da antiguidade", "um homem justo de muita sabedoria" cujo nome começa pela letra 'S'). E agora esta demonstração faz mais sentido ainda uma vez que Platão era discípulo de Sócrates e, assim, estariam fazendo uma nova 'dobradinha' no século XIX; Platão como Kardec e Sócrates como o Espírito da Verdade.

Outra interessante reencarnação de Kardec seria a do reformador religioso Jan Huss no século XV. Esta informação teria sido obtida também pelo pesquisador Canuto Abreu conforme se observa na entrevista de Eduardo Monteiro ao CVDEE:

CVDEE: Onde tem a afirmação de que Denizard Rivail foi Jean Huss e, também, Allan Kardec? Tem algum livro, mensagem ou registro que afirma que o Léon Denis é a reencarnação de Wycliff?
Eduardo Monteiro: A revelação da encarnação do Prof. Rivail como Allan Kardec, sacerdote druida, surgiu em 1856 pela cestinha escrevente de Caroline Baudin e a de sua encarnação como John Huss em 1857 pela médium Ermance Dufaux. As fontes preciosíssimas, esclarece Canuto de Abreu, estavam, em 1921, na Livraria Leymarie, onde ele as copiara em quase sua totalidade. Passaram em 1925 para a Maison dês Spirites que, como já nos referimos, foram assadas numa fogueira pelos alemães. Recomendo a leitura de A Missão de Allan Kardec, de Carlos Imbassahy, e Allan Kardec, o Druida Reencarnado, de minha autoria.

Assim como fez com a revelação da encarnação como Platão, Kardec não tornou pública esta outra como Huss. Isto nos sugere que Kardec também não acreditava que teria sido Jan Huss. Aparentemente, considerava suficiente a informação de que ele Rivail foi o druida Kardec, que, aliás, não sabemos nada desse personagem histórico.

Outro ponto que merece ser destacado é a de que Eduardo Monteiro afirma que a revelação da encarnação como o druida Allan Kardec teria sido dada através da mediunidade de Caroline Baudin (e possivelmente por Zéfiro). Isto contradiz a entrevista dada pela médium Japhet citada no início deste tópico.

É difícil avaliar com quem está a verdade, mas há uma certa lógica em acreditar na entrevista desta médium. Neste caso teríamos a revelação das reencarnações de Kardec sendo transmitidas por vários médiuns; como o druida Kardec por Celina Japhet e Roze, como Platão por Caroline Baudin (Zéfiro), e como Huss por Ermance Dufaux. E todas elas teriam sido dadas no início do Espiritismo (1856 e 1857). O que isto quer dizer? Rivail procurou confirmar as informações consultando vários médiuns de círculos diferentes conforme estabelece a sua metodologia. Neste caso específico não conseguiu a almejada universalidade, mas mesmo assim optou por uma delas: Allan Kardec.

20 comentários:

Anônimo disse...

Por que na maioria das vezes (ou quase sempre), uma pessoa famosa nesta encarnação é famosa também na anterior?
Será que isto é a regra?
No meu ponto de vista, acredito que não!

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
com_artigos disse...

Mas o interessante é que o Chico não constestou os pensamentos da Sra. Marlene Nobre. Ele leu os pensamentos dela. Depois, ele (o Chico) apenas comentou, destes pensamentos, coisas relativas ao casamento de Kardec, nada mais. Assim, penso que se esta revelação sobre Kardec ser Platão não foi contestada pelo Chico, então creio que realmente Kardec foi também Platão. Assim ficando: Elias, Platão, Kardec (o Druida), João Batista, João Huss, o Professor Rivail (kardec) e, por fim, Chico Xavier. Penso, também, que há uma razão em tudo isso, pois vejo Jesus confiar missões de determinada importância e responsabilidade para um espírito de sua total confiança. Creio que isso é normal e lógico até.

com_artigos disse...

Perfeito. Penso a mesmíssima coisa.

Lúcia disse...

Como ele pode ser Platão se em Prolêgomenos cita o próprio Platão como um dos espíritos a contribuir com a elaboração do Livro dos Espíritos?

Vital Cruvinel disse...

Oi, Lúcia!

O nome Platão foi adicionado nos Prolegômenos em 1860 na segunda edição do Livro dos Espíritos. Assim, uma das hipóteses é a de que Kardec teria recebido a informação de que seria Platão antes desta data.

Obrigado pelo comentário!

Ercília Pérez disse...

O fato de Kardec saber que era Platão depois dos Prolegômenos, não altera a pergunta :como Platão colaborou se ele estava reencarnado como Kardec?Chico pode não ter comentado por ser discreto, não aceitando nem negando algo assim!

Ercília Pérez disse...

Perdão, me enganei: quero dizer "antes" ,isto é, ele soube que era Platão antes e o resto do questionamento continua igual!

Vital Cruvinel disse...

Olá, Ercília!

Se o Espírito Platão colaborou na elaboração do Livro dos Espíritos então ele não poderia ser Kardec a menos que:

1. Kardec considerasse ele próprio como estando entre os espíritos colaboradores, ou
2. Kardec num estado alterado de consciência pudesse se comunicar nas sessões como Platão

Mas, particularmente, não apostaria nessas exceções.

Marco Antonio da Silva disse...

Vocês estão de parabéns pelo questionamento discutido, pois sempre me perguntava onde encontrar uma explicação para esses pontos polemicos.Agora encontrei vocês.Abraços s todos.

Vital Cruvinel disse...

Que legal, Marco Antonio!

Bom saber que nosso trabalho está sendo útil.

Abraço!

MoniCS disse...

O legal é que esse foi um espírito que já surgiu do nada evoluído, né?
Onde fica toooooda a trajetória de evolução?
Ou vc está citando apenas as últimas encarnações dele?
Complicado né?
Um espírito demora milhares de anos a mais do que a primeira encarnação citada aqui para se tornar um "sábio".
Assim fica difícil. Que tal explicar melhor?
Ou seria ele um anjo? :)
Acho que seria mais aceitável...

Vital Cruvinel disse...

Oi, MoniCS!

Este artigo não se propõe a definir a trajetória de evolução do espírito que se encarnou como Rivail.

A hipótese espírita propõe que todos os espíritos tem uma origem simples e evoluem para a perfeição.

Os anjos seriam apenas os espíritos que estão num grau de evolução mais avançado.

Abraço!

Anônimo disse...

penso eu que assim como chico, existem muitos espiritos evoluidos sem serem espiritas.por que deus confiaria todas as missoes a um unico espirito.ja pensou q kardec poderia ser madre tereza

Assuntos diversoas disse...

Aqui cabe uma pergunta: O nosso reporte Irmão X, Espírito Que viveu o personagem Humberto de Campos é digno de CÉDITO? Ele narra um fato que ocorreu próximo ao nosso planeta,no dia 31 de dezembro de 1799, uma reunião, de que trata um capitulo, cujo título é: Kardec e Napoleão, nesta reunião se achavam presentes vários espíritos, dentre eles, Socrates e Platão...
Allan Kardec o sacerdote druida no século I antes de Cristo, e que pode perfeitamente ter vivido na época de Cristo com o Apóstolo Tomé e como professor Hipólito Rivail disse: Eu acredito vendo!
O Espírito de Verdade, que representou o Jesus Cristo na Codificação, Não deve ter sido outro se não o Profeta Elias ( O RESTAURADOR DA DOUTRINA DEIXADA POR JESUS) no cumprimento da promessa do Cristo. Lembrando que: João Batista, Elias, Moisés e Jacó são mesma pessoa.
Agora Aqui cabe outra pergunta: com se explica que Moisés e Elias são uma mesma pessoa se os dois estiveram juntos conversando com Jesus no fenômeno da transfiguração no Tabô? O que pode ter acontecido é que não houve materialização de espíritos lembrando que os discípulo presentes se achavam em tranze, ou êxtase?

Carlos disse...

Interessante o blog e a maneira como os assuntos são elucidados, sobre este artigo em si, essa estória vêm à tona sempre pelos mesmos personagens brasileiros.

Há de entender os porquês, visto que tais informações sejam "preciosas" apenas para os que querem cultuar e elevar Kardec à um patamar que ele mesmo desaprovaria, gerando especulações que sabemos que não têm serventia alguma.

A utilidade em dizer um nome obscuro de uma existência passada à Kardec, serviu como uma luva, ou melhor, pseudônimo, já que ele queria distinguir os trabalhos que teve como pedagogo e agora como pesquisador dos fenômenos espirituais. Fato amplamente conhecido.

Não entendo essa busca insaciável de querer conhecer todas as etapas da encarnação de um espírito, como se isso fosse um histórico para atestar sua imperfeição ou perfeição moral atual, aliado também a uma vã curiosidade que busca somente pessoas célebres com feitos amplamente conhecidos, o que redobra minhas suspeitas de que quando se quer esse tipo de informação, a tendência a se mistificar é muito grande e os objetivos sempre são os mesmos, alimentar o orgulho de ter tido "privilégio" de receber uma informação que como se vê, ninguém confirma e sabe de onde partiu, o que comprova a sua origem.



Diego. disse...

Carlos.. Concordo contigo!

Lenir Souza disse...

Carlos, a sua foi a melhor explicação. Trouxe-nos da especulação ao bom senso.

Anônimo disse...

Sou catolico
mas faço curso sobre espiritismo..no meu trabalho existe preconceito como
lidar com isso?

Vital Cruvinel disse...

Olá, amigo!

Em primeiro lugar você precisa se convencer de que não há nenhum problema em estudar o espiritismo mesmo sendo católico.

Convencido disso, você estará preparado para encarar o preconceito sob a forma que vier. É claro que há formas mais violentas que precisam de uma orientação mais profissional. Se for o seu caso eu posso te encaminhar para um amigo que tem uma larga experiência no assunto.

Se precisar então me escreva: vital.cruvinel@gmail.com